“Assim, depois de jejuar e orar impuseram-lhes as mãos e os enviaram”. Atos 13:3

Aprecio Muito este relato bíblico. É um texto que me empolga E me faz vibrar.

Como é precioso ver a igreja de Antioquia entendendo a voz do Espírito, e o desejo do coração de Deus de enviar Saulo e Barnabé para a obra missionária.

Mas é importante perceber que esta parceria não termina por aí. O texto diz: “impuseram-lhes as mãos”. O ato de imporem as mãos naquele momento não significa somente uma despedida, mas denota que a Igreja de Antioquia e seu líderes estavam assumindo um compromisso de estarem “juntos” onde quer que Saulo e Barnabé estivessem. Eles estavam dizendo, com aquele ato, que se comprometiam, que estavam se associando àquele ministério.

A participação da igreja local no ministério missionário é de suma importância. Não existe missão sem que haja igrejas envolvidas no processo. Por mais dedicado que possa ser o missionário, por mais correta que seja a agência de missões, se a igreja local não participar, não se envolver, não assumir seu chamado missionário, nada do que planejarmos ou fizermos prosperará.

É preciso que a igreja descubra, dentro de seus templos, seus vocacionados e se disponha a “impor as mãos sobre eles”.

Pr. Oswaldo Prado em seu livro “Do chamado ao campo” escreve:

A Igreja Evangélica Brasileira necessita resgatar urgentemente sua cumplicidade irrestrita com o vocacionado para missões. Quem sabe, esquecer um pouco dela mesma e de suas questões internas ( às vezes sem nenhuma relevância para o reino) e olhar para aqueles que estão dispostos a ir e plantar novas igrejas onde o Evangelho ainda não chegou.

Essa afirmação do Pr. Oswaldo é muito adequada. Não são poucas às vezes em que recebemos formulários de candidatos na MIAF – Missão Para o Interior da África, querendo servir ao Senhor em um outro país e quando procuramos conversar com os seus pastores, não percebemos uma disposição semelhante em enviar e participar no ministério destes irmãos.

É preciso que, como igreja, resgatemos o chamado deixado por Jesus a nós. Hoje em dia nossas igrejas estão repletas de ministérios: música, teatro, libertação, células, cura e tantos outros. Estes ministérios são válidos, mas não são ferramentas para cumprirmos o único ministério que deixado por Cristo?

” … vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os ema nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”. Mat. 28:19 e 20